Desde a paralisação dos campeonatos por causa da pandemia do coronavírus, jogadores de futebol buscam maneiras de se entreter na quarentena. Uma das distrações mais comuns vista nos últimos dias foi a participação em desafios nas redes sociais, como vídeos de embaixadinhas com rolos de papel higiênico e fotos de lances marcantes em campo.

O avanço da Covid-19 no Brasil, porém, mobilizou mais de cem jogadores ao apoio de uma causa solidária em forma de desafio: a missão é doar uma camisa de jogo autografada a um site que fará venda online. Todo o dinheiro arrecadado, tirando custos de envio, será revertido ao Instituto da Criança — este, por sua vez, fará a compra de respiradores, luvas e máscaras para ajudar equipes médicas no combate à doença.

Mais de cem jogadores já participaram, inclusive nomes como Daniel Alves (São Paulo), Dudu (Palmeiras), Everton (Grêmio), Rodrigo Caio (Flamengo), Gabriel Jesus (Manchester City) e o goleiro Alisson (Liverpool), além de ex-jogadores como Denílson, Kaká e Marcos e influenciadores como Fred e Raquel Freestyle. Por isso, muitos fãs de futebol já foram impactados pela campanha na internet. O que poucos sabem é que ela começou de forma tímida com o zagueiro Danny Morais, do Santa Cruz.

Danny Morais fez contato com o relações públicas Guilherme Alf, que conhecia de outras ações no Sul: “Desde a minha ligação foi uma semana até o lançamento do projeto.” A dupla mobilizou empresários, assessores de imprensa e rede de contatos no futebol para chegar aos jogadores e ex-jogadores, que doaram suas camisas para a campanha.

Há itens à venda de R$ 800 até R$ 10 mil. Isso além de um setor para doações livres, de outros valores, sem recompensa. Os principais rostos da campanha são Denílson, comentarista da Band, e o goleiro Alisson. Não à toa, donos das camisas mais caras da plataforma, da seleção brasileira e do Liverpool. Alisson, aliás, é embaixador da Organização Mundial da Saúde (OMS), e Denílson promete engajar personalidades da música e de outros segmentos no desafio.


O campeão olímpico cubano de luta livre, Ismael Borrero, testou positivo para o novo coronavírus, assim como outros três oficiais do Instituto Cubano de Esportes (Inder), anunciou o órgão na terça-feira.

O lutador de 28 anos, campeão olímpico na Rio-2016 e bicampeão mundial (Las Vegas-2015 e Cazaquistão-2019), tornou-se o primeiro atleta cubano a ser diagnosticado com esse vírus na ilha.

Até terça-feira, Cuba acumulou 186 casos confirmados de Covid-19 e seis mortes.


ZIDANE PIONEIRO DO CICLISMO EM VALENÇA-BA.

A solidariedade significa manifestar a atitude de ajudar o outro.  A pandemia da Covid-19 tem provocado o isolamento das pessoas mundo afora.  Os riscos de contaminação são enormes, principalmente para os idosos, aqueles que estão acima dos 60 anos, e também independentes da idade as pessoas com a imunidade fragilizada. Grupos de pessoas consideradas mais vulnerável à doença.

Como forma de minimizar os efeitos sociais e econômicos, o sentimento de ajudar o outro vem contagiando inúmeras pessoas. Dentre elas os ciclistas de Valença, município do Estado da Bahia, localizado no Território do Baixo Sul.

Foi com este sentimento, que  os grupos de ciclismo Anjos da Trilha e Corrente da Trilha se deslocaram para a BR 101, entroncamento de Valença-Ba.

Em torno de 12 ciclistas levaram alimentos diversos para ajudar os caminhoneiros. Nas sacolas bolos, biscoitos, pães e refrigerantes. Uniram o útil ao agradável, se deslocaram pedalando e puderam ajudar aproximadamente 50 caminhoneiros que passaram no local.


Destaque do Náutico, Jean Carlos virou alvo de diversos clubes brasileiros das séries A e B. Um dos apontados como possível destino do meia foi o Ceará.

Porém, o presidente do Alvinegro, Robinson de Castro, negou o interesse no jogador. “Não interessa”, disse.

Um dos clubes que tenta a contratação de Jean Carlos é o Bahia. O Tricolor monitora o atleta há dois anos.

O meia, de 28 anos, também já foi sondado por Atlético-MG, Cruzeiro, Fluminense e Flamengo.


O comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 confirmou na manhã desta segunda-feira, 30, que realizará a próxima edição do maior evento esportivo do mundo doze meses mais tarde da data original. A Olimpíada será entre os dias 23 de julho e 8 de agosto de 2021. A decisão foi comunicada em conjunto com o Comitê Olímpico Internacional.

O orçamento de todos os Jogos terá de ser revisto. O contrato com algumas das sedes esportivas também passará por uma renegociação. Há ainda a preocupação sobre como ficará a questão dos ingressos e devolução de dinheiro para quem não quiser mais ir aos Jogos.

Em sua 32ª edição, a previsão era de que 11 mil atletas, de pelo menos 204 países, disputassem os Jogos, distribuídos por 33 esportes. Se não bastasse esse contingente de pessoas, o COI e o Comitê Organizador do Japão tinha por estimativa que as provas recebessem até cinco milhões de espectadores de todo o mundo, nos 43 locais de disputas.


a a pandemia do Covid-19, os clubes de todo o mundo visam a redução dos custos com seus jogadores, principalmente os Clubes do continente Europeu, que possuem cifras milionárias em suas folhas de pagamento.

O craque argentino,  Lionel Messi, em um comunicado oficial, disse que ele e o restante do elenco do Barcelona reduzirão seus salários em 70% enquanto continuar o estado de alarme na Espanha. “Vamos fazer contribuições para permitir que os funcionários do clube recebam 100% dos seus pagamentos”, salientou o camisa 10 argentino.


Entidades que representam os jogadores de futebol que atuam no Brasil, a Fenapaf (Federação Nacional de Atletas de Futebol Profissional) e o Sindicato dos Atletas de Futebol encaminharam cobranças à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e Rede Globo, no que tange à indefinição dos campeonatos estaduais, paralisados em virtude da pandemia do coronavírus.

Além disso, sugeriram que as Séries A e B do Brasileirão sejam reduzidas de 38 para 22 ou 24 datas. Entretanto, a definição do total de jogos depende de quanto tempo a pandemia vai durar no país, conforme disse  Alfredo Sampaio, presidente da Fenapaf e representante da Saferj (Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Rio de Janeiro).