Após ter vencido o Bahia da Baixa Alegre na primeira fase por 3 a 1 de virada, o Skiva voltou a triunfar diante da equipe Tricolor. Neste domingo (03), no Estádio Antônio Sereia diante de um público reduzido o Time da Moda sofreu, mas, conseguiu superar os tricolores por1 a 0. Gol marcado por Mica aos 33 minutos do segundo tempo.

Próximo domingo (10), o Skiva enfrenta o Ipiranga em partida que decidirá o título de campeão 2018.

FICHA TÉCNICA.

SKIVA. Rose; Pelôco, Yula, Baixinho e Márcio; Buiu, Mica (Vicente), Rossi (Tiui) e Pitôco; Romário e Aldo (Piriquete). Técnico. Guto.

BAHIA. Rodrigo; Lico (Lucas), Raylan, Maikon e Alaba; Lucas, Tio Bira, Curo (Emerson) e Jiquiriçá; Alex (Deivinho) e Caio. Técnico. Tony Fonseca.

GOL: Mica (33’).

CARTÕES AMARELOS: Raylan (Bahia) e Alaba (Bahia).

PÚBLICO.  307 Pagantes

RENDA. R$ 2.425,00

ARBITRAGEM.

Central. Ezequias Clementino. Assistentes: Fábio Oliveira Carvalho e Mateus Oliveira Carvalho. 4º árbitro. Antônio Carlos Bonfim

PRELIMINAR. Palmeiras 2 x 1 Bahia.

No próximo domingo (10), Valença e Palmeiras decidem o título de campeão.

Crédito das fotos. site No Mundo da Bola.

 

 


Gastar menos e produzir mais. Trabalhar menos e produzir mais.  São máximas repetidas no mundo do trabalho. Patrões e empregados buscam tornar realidade estes desejos. Será que estas máximas podem ser aplicadas no universo do futebol?

Primeiro é necessário esclarecer que o futebol faz parte do mundo do trabalho. Apesar dos reducionistas, enxerga-lo como algo a parte, separado.

Futebol nos dias atuais se transformou em um grande negócio, entretanto, poucos ganham muito. A maioria dos atletas trabalha muito e ganha pouco; dura realidade do futebol profissional.

E futebol amador faz parte deste contexto? Sim. Com as devidas ressalvas; esta atividade pode ser considerada, hoje, como um pequeno negócio. O capital circula em todos os campeonatos. Vários atletas preferem o amadorismo em vez do profissionalismo. Alguns dizem: “aqui se paga pouco, mas, recebemos”.

Na tentativa de ser fiel ao título deste texto, recupero parte da entrevista do técnico do Bahia da Baixa Alegre (Tony Fonseca), ao repórter Fabrício Lemos: “meu time é barato. Alguns atletas jogam recebendo apenas a passagem. O custo total por jogo está em torno de dois mil reais”. Parabéns, Fonseca, em um campeonato com equipes que gastam até 10 mil reais, é merecedor de elogios.

Amanhã (02), no Estádio Antônio Sereia, o Tricolor da Baixa Alegre vai enfrentar o Skiva da Vila Operária. O rubro-negro é favoritaço. Tem um elenco melhor tecnicamente e maior investimento. Fatores que por si só não levam a vitória. O futebol tem várias lógicas, uma delas diz que: “quem investe mais e tem jogadores superiores tecnicamente, possui mais chances de conquistas”. Por estas e por outras razões, será que o Time da Vila Operária vai confirmar a lógica do tem mais, pode mais? Ou será superado pela lógica do Tricolor da Baixa Alegre. Pode mais, tendo menos? Esta é a minha opinião, segue o jogo…


KAKÁ

Cristiano Silva Farias, nasceu em Anuri, Arataca/Bahia. No mundo do futebol é conhecido como Kaká. Atleta muito disputado por várias seleções. Atacante que possui uma mobilidade muito grande, além de ser um exímio goleador. Já jogou intermunicipal em várias cidades e conquistou títulos de campeão e artilheiro.

Este ano, mais uma vez disputou o Campeonato Valenciano. Vestiu as cores do Bolívia, marcou 04 gols e se isolou na artilharia.

Neste domingo (27), participou da partida entre Ipiranga e Bolívia na disputa por uma vaga na final. Marcou um bonito gol, entretanto, insuficiente para vencer o Ipiranga da Vila Operária. Depois de empatar no tempo regulamentar, sofreu a derrota na disputa de pênaltis. Resta agora ao artilheiro ficar de fora secando os seus concorrentes na artilharia.

Confira a trajetória de Kaká.

Ficha do Atleta
Nome:
 Cristiano Silva Farias

Seleções Intermunicipais
2007 – Camacã
2008 – Camacã
2009 – Porto Seguro
2010 – Porto Seguro (campeão)
2011 – Itapetinga
2012 – Porto Seguro
2013 – Itajuípe (campeão)
2014 – Itajuípe
2015 – Uruçuca (vice-campeão)
2016 – Itabela (vice-campeão)
2017 – Santo Amaro

Títulos Intermunicipais
2010 – Porto Seguro
2013 – Itajuípe

Prêmios Individuais
2007 e 2013 – Artilheiro do Intermunicipal


Neste domingo 27, o Bolívia enfrentou o Ipiranga da Vila Operária pela semifinal do Campeonato Valenciano 2018, empatou no tempo regulamentar e foi derrotado na disputa de pênaltis. O Ipiranga garantiu vaga na final e vai enfrentar o vencedor entre Skiva e Bahia que jogam no próximo dia 03 de junho.

Esse era o confronto considerado por muitos como uma final antecipada da competição. As duas equipes mostraram suas forças e quem pode ir ver a partida, se deliciou com um belo confronto.

Uma partida disputada do início ao fim. O time do Ipiranga comandado por Paulinho mostrou sua disposição e organização tática no primeiro tempo. Propôs o jogo, deu as cartas. Aos 20 minutos Ricardo sofreu um pênalti cometido por Carijé e Marcos Neri converteu fazendo 1 a 0. O Amarelo e Preto seguiu pressionando e o Time Azul e Branco apenas se defendia e poucas investidas ofensivas contra o seu adversário.

Na volta do segundo tempo, o Bolívia voltou determinado a reverter o placar, a entrada de Pithaco e as mudanças na forma de jogar surtiram efeito e aos 11minutos Kaká deixou tudo igual. Criou outras oportunidades de gol, mas faltou qualidade nas definições. Final de jogo Bolívia 1 x 1 Ipiranga. Na disputa de pênaltis o Amarelo e Preto venceu por 4 a 1 e garantiu seu lugar na grande final no dia 10 de junho, contra um adversário que vai ser definido na disputa entre Skiva e Bahia, no próximo domingo (03).

FICHA TÉCNICA.  IPIRANGA(4) 1 X 1 BOLÍVIA(1).

BOLÍVIA. Walisson, Álberico (Pitchu), Tiago Leal, Zé  Carijé e Rodolfo; Gilmar (Wilian), Fábio, Diego (Draid); Igor Tanquinho, Kaká e Tobinha. Técnico. Zé Carijé.

IPIRANGA. Pilão; Olodum (Pitchu), Rogério, Yuri  e Vlaudisson; Luan (Albertino), Nego Dai (Mailson ), Grilo (Xandi) e Igão; Marcos Neri e Ricardo. Técnico. Paulinho.

Gols. Marcos Neri, aos 20’ Ipiranga e Kaká, aos 11’ para o Bolívia.

Cartões amarelos. Tiago Leal (Bolívia). Luan (Ipiranga).

Arbitragem.

ÁRBITRO CENTRAL. Edvalter Marinho. Auxiliares.Átila Alves e Marcos Roniel.

Público. 956 pagantes

Renda. R$ 7.725,00

Crédito das fotos. nomundodabola.


Os torcedores valencianos irão conhecer neste domingo(27), um dos finalistas do Campeonato Valenciano 2018. Bolívia e Ipiranga decidem uma das duas vagas para a grande final que acontece no dia 10 de junho no estádio Antônio Sereia.

A Liga Valenciana de Futebol Amador divulgou a arbitragem deste confronto. O experiente Edvalter Marinho e seus auxiliares Átila Alves e Marcos Roniel, todos são oriundos da cidade de Ubaitaba.

Edvalter Marinho

Ipiranga e Bolívia se enfrentam pela terceira vez nestes últimos 02 anos. Torcedores do Ipiranga estão chamando a partida de “O Clássico da Paz”. Espera-se que os torcedores do Bolívia abracem esta idéia.  A peleja irá acontecer neste domingo (27), ás 16h00min, no estádio Antônio Sereia. O confronto das duas  melhores equipes da competição. Um grande público é esperado.

Em 2016, o Amarelo e Preto da Vila Operária venceu na final do campeonato e papou o título após um bom período em jejum.

Este ano mais um confronto. Desta vez em disputa a primeira posição no grupo A. Mais um triunfo. Uma a zero foi o placar. Um gude preso com se diz no futebolês. Um placar mínimo, mas o suficiente para maximizar a rivalidade entre as duas agremiações. Labaredas para todos os lados e ameaça de reverter à situação em outro provável confronto, já imaginado pelos diretores do Azul e Branco do Bairro da Bolívia. Por ironia do destino e força do regulamento, o terceiro confronto acontece logo mais , às 16 horas no Estádio Antônio Sereia.

Alguns diretores do Bolívia, prematuramente já anunciam a ”vingança”. Confiam na força do seu elenco e prometem reverter à situação.  Já o Time da Vila Operária, convicto da força do adversário preferem o silêncio e deixam o oba oba por conta dos seus torcedores.

O que será que está reservado para este reencontro? Considerado por muitos como uma final antecipada. Prognóstico difícil. Ambas as equipes têm as mesmas possibilidades de triunfo.

Bolívia e Ipiranga  garantiram suas classificações vencendo os mesmos adversários, entretanto, percorreram os caminhos com diferentes estratégias de jogo.

Joseph Guardiola, disse que só existe um segredo no mundo do futebol: ou tenho a bola ou não tenho, disse ele. Serve para ilustrar a maneira de jogar de Bolívia e Ipiranga.

O Azul e Branco sempre quer a Bola. O Amarelo e Preto da Vila Operária, nem sempre. Alterna a posse da bola e recorre ao expediente do contra ataque rápido. Ambas as equipes tiveram desfalques em suas últimas partidas, fato que não deverá ocorrer na peleja deste domingo.

Por estas e por outras razões, leva-me a crê que será uma partida muito tática, sobretudo, por tratar-se de dois elencos com jogadores experientes e inteligentes. O diferencial competitivo poderá ser o condicionamento físico. Esta é a minha opinião, segue o jogo…


 

Torcedores do Ipiranga estão chamando a partida entre Bolívia e Ipiranga de “O Clássico da Paz”. Espera-se que os torcedores do Bolívia abracem esta idéia.  A peleja irá acontecer no próximo domingo (27), ás 16h00min, no estádio Antônio Sereia. O confronto das duas  melhores equipes da competição. Um grande público é esperado.

Na preliminar na categoria sub-18, jogarão Valença x Bolívia.