Estão abertas as inscrições para a segunda edição do Bike in Morro, na Ilha de Tinharé, que engloba destinos como Gamboa e Morro de São Paulo.

Com 130 vagas, o evento esportivo acontece no dia 19 de maio, às 6h, saindo da vila da Gamboa.

Nesta edição, os ciclistas vão percorrer cerca de 40km de distância, fazendo o percurso Gamboa-Morro de São Paulo-Garapuá. A corrida tem a participação dos grupos locais de ciclistas Tonho’s Bikes, Ranca Pulmão, Anjo da Trilha e Pedal do Galo.

Mais informações podem ser obtidas por meio dos seguintes números: (75) 988 184 895; e (75) 998 260 327.

Fonte: nomundodabola.com


Por dentro do evento…

São várias as competições de MTB e elas continuam crescendo… Mas o SUBA 100 é um challenger, ou seja, um desafio. E um desafio que fica a poucos quilômetros de nossa região, e no estado da Bahia. É importantes prestigiar!! E por isso vai muito gente e as vezes em caravana para Sta Terezinha. Este ano foram 1.500 atletas, um número surpreendente com uma mega estrutura para comportar o evento, na cidade que já é considerada a capital dos esportes radicais.

É lá também que fica o primeiro bike parque da Bahia, com ladeiras míticas como a Rolling Stones e a subida do voo livre! Em algumas destas é possível pra se perguntar como um ser humano normal consegue subir aquilo??? Foi um mar de gente empurrando bicicleta ladeira acima…

E não é só por isso, o sol rachando a cuca e o ponto de corte são elementos que aumentam a pressão, inclusive psicológica, em cima do competidor. Para se ter uma ideia, até o horário que checamos foram mais de 500 ciclistas desclassificados!! Pelo menos duas vezes vimos a ambulância trazendo ciclista para atendimento médico às pressas e na abertura conhecemos um ciclista que voltava a competição, pois quebrou braço e clavícula anos atrás no Suba.

E aí, ai encarar?

Apenas a medalha de conclusão (finisher), nesse contexto, já é uma grande conquista! Imagine fazer isso na categoria Master ou dinossauro, com competidores acima dos 40, 50 e até 60 anos!! É muita gente buscando superação e muito menos gente buscando pódio… Cada um com sua história e objetivos mas todos buscando a linha de chegada, independente do tempo… Teve competidor que saiu as 8h da manhã e chegou depois das 18h, um esforço de mais de 10h, sabendo que no outro dia teria mais um dia inteiro de pedal!

As belas paisagens da caatinga e o retorno de investimento para a região e cidade de Santa Terezinha motivam ainda mais sua participação. Uma competição que começou com 200 participantes, e este ano teve 1.500 acabamos por ter alguns contratempos nas trilhas: como muito tráfego – até 40 minutos para cumprir trechos pequenos. Também por isso muitos questionaram os horários estabelecidos para a desclassificação do competidor. Torcemos para um suba 2020 melhor e com a mesma emoção!

Quer saber mais: http://www.suba100.com.br/

Tarcísio Botelho é ciclista karniça e Bike Anjo

https://www.facebook.com/bikeanjovalenca/


Usando a psicologia a seu favor!

Há algum tempo participei de um programa para melhorar a performance no esporte. Me surpreendeu que mais de um terço de todo o programa estava voltado para a área de “coaching”, ou seja, para tratar da parte de psicologia do esporte.

Motivação, foco, persistência e até autoestima são questões abordadas nessa área. Embora pareça supérfluo, neste curso foi uma parte de destaque e no primeiro momento eu também não dei muito valor. No entanto, às vésperas de uma competição começo à rever meu preconceito com esse tema.

Nessa minha revisão, me lembrei de uma das primeiras grandes ladeiras que enfrentei e precisei muito de trabalhar a mente, para concluí-la por completo. Me lembro daquele dia, com sol forte apertando a mente, cansaço e muito gente, á partir do meio do caminho, já subia empurrando.

Ainda que tivesse condições físicas ao longo do percurso duvidei insistentemente de que seria possível chegar ao topo. Sua mente parece lhe desestimular e arrumar diferentes justificativas para você desistir. Me lembro que ao ver muitos empurrando, logo me veio a primeira: “tá todo mundo empurrando, você pode parar também”. Resisti a esse primeiro intento de desistir e continuei, como se testasse ver até aonde aguentava. Logo veio o segundo apelo da mente: “sua bike é de entrada não dá para subir”.

É interessante observar que é um tipo de sabotagem, em que sua mente arruma justificativas para você poder parar, desistir e se sentir confortável. Confesso que foi essa foi a mais difícil de resistir… Por fim, já com os músculos fritando e buscando forças no além, ela apelou novamente: “você bebeu muito líquido, tá cheio, deixa pra outra vez”. Nessa hora me dei conta de que eu mesmo estava me sabotando e, faltando pouco para terminar, dei o último gás ou liguei o tanque reserva para atingir a meta e cheguei ao topo. A conquista vale o esforço!

Nunca me esqueci da batalha travada comigo mesmo naquele dia, entre meu desejo e as sabotagens da mente, e por isso que resolvi compartilhar essa história: para você também analisar seus pensamentos e perceber em que momento está deixando se levar por pensamentos estagnantes, reativos que bloqueiam seu desenvolvimento esportivo.

Superar crenças limitantes, observar como seu cérebro pode lhe sabotar é uma estratégia essencial para você superar o medo e ampliar seu resultados.

Pense nisso!

Tarcísio Botelho é ciclista karniça e Bike Anjo

https://www.facebook.com/bikeanjovalenca/


Kaio Felipe subiu ao pódium na 3ª e 4ª etapas do Ranking Estadual de Ciclismo, pela categoria Sub-30. As etapas da competição ocorreram no sábado (13) e neste domingo (14), em Santa Teresinha.
O valenciano conquistou o 1° lugar pela prova Contra-Relógio no primeiro dia da competição. Já no segundo dia, ficou na 5ª colocação, pela prova  Estrada.
A participação de Kaio Felippe na competição tem o apoio da Farmácia Taperoá, Supermercado Mega Mix, Comercial Santana e Saae.
Fonte: www.nomundodabola.com

Por uma cultura de paz nas escolas

Não há como ficar insensível em razão de mais um atentato em nosso país, em que atiradores mataram oito pessoas e se mataram dentro de uma escola. Ainda perplexo com o que alguns estão nomeando de massacre, fico pensando em alternativas para evitar um novo evento deste tipo, pois aconteceram muitos no mundo e agora no Brasil.

Bom, exitem várias razões para o ocorrido e não serão soluções simplistas como distribuir armas aos professores ou eliminar os jogos de video game violentos que resolverão a questão. Mas a união de diferentes ações, principalmente na escola, podem ajudar a prevenir outras tragédias como essa!

Poderíamos pensar em mais bicicletas em vez de armas, com gente mais feliz e melhor acolhida na escola. Sem dúvida ajudaria! Nesse sentido, o projeto bike na escola um dos programas do bike anjo e leva a cultura da bicicleta para dentro dos muros da escola. Ensinando jovens e crianças a se divertir com a bike, melhorar a saúde e usá-la no transporte ou como esporte.

Será infinitamente melhor entrar na escola pedalando do que atirando! Um processo lúdico de cuidar de si mesmo e do planeta. Motivar alunos e funcionários a cultivar um cultura de paz pode perpassar por esse movimento, com simplicidade e reflexão sobre o que realmente importa na vida: isso é transformação social.

A bicicleta na escola pode ajudar na redução do sedentarismo: reduzindo o tempo dos alunos na vida virtual, em jogos violentos, e pedalar para encontrar divertimento em atividades reais.

Podemos ainda mitigar os problemas de obesidade infantil: ao fazer uma atividade física constante, isso reduz a quantidade de gordura corporal e o risco diabetes infantil.

O esporte ciclismo é uma ferramenta que integra o praticante em grupos e favorece o desenvolvimento dos valores sociais como solidariedade, respeito, tolerância, além do desenvolvimento de um espírito de superação e confiança. Esses dois últimos essenciais para se aprender a lidar com o bullyng, por exemplo.

E, por experiência própria, posso dizer que a prática do ciclismo é ótima para a autoestima, para fazer você acreditar mais em si mesmo e enfrentar os desafios sociais que encontramos nas instituições e os papéis sociais que representamos.

Tarcísio Botelho é ciclista karniça e Bike Anjo

https://www.facebook.com/bikeanjovalenca/


Prevenir é o melhor caminho

 

Está cada vez mais difícil pedalar… Tempo, cansaço? Não! Estrutura para o ciclismo…

Imagine que pedalar nas nossas estradas está cada vez mais perigoso e principalmente com os inúmeros buracos atuais, o risco para quem pedala sem acostamento é enorme. Certo vamos então para as trilhas e estradões da zona rural, certo. Lá o problema é outro: segurança. Roubos e ameças constantes aos moradores da zona rural não permitem pedais em pequenos grupos, deixando poucas opções para continuar no ritmo!!

E para finalizar as reflexões esta semana tivemos um triste notícia, que nos deixam ainda mais alarmados: um ciclista aqui da Bahia morreu, por traumas na cabeça, após uma queda. As informações que apuramos apontam para uma queda após uma descida, ao encontrar uma valeta ao final. Nossos sinceros sentimentos à família e mais um alerta para quem pedala.

Por essas e outras que a segurança é extremamente importante em esportes “out door” e, no ciclismo, pelo visto ainda mais. Então para contribuir mais com os ciclistas de nossa região seguem umas #DicaKarniça:

  • Equipamentos de segurança, sem economia: sua vida é prioridade;

  • Evite o pedal nas estradas em horários de grande movimento;

  • Prefira os primeiros horários da manhã;

  • Fique atento em curvas pois alguns veículos passam na borda da pista;

  • A noite somente em grupos e bem iluminado;

  • Evite trilhas na zona rural em grupos pequenos e se informe com moradores locais sobre a segurança no trecho;

  • Nas decidas, cuidado extra e não se arrisque em trechos desconhecidos;

  • Manutenção da bike em dia e equipamentos de reposição evitam surpresas durante o passeio.

Deixe seu comentário e divulgue essa conversa com seus colegas!

Tarcísio Botelho é ciclista karniça e Bike Anjo

https://www.facebook.com/bikeanjovalenca/