20160331113959668373e

Vetado pelos médicos da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) do GP do Bahrein, marcado para este domingo, Fernando Alonso detalhou nesta quinta-feira os efeitos provocados pelo assustador acidente sofrido na abertura da temporada, revelando que sofreu pequenas fraturas nas costelas e teve problemas no pulmão, o que ainda não era de conhecimento público.

“Eu estava bem no domingo (20 de março, quando se acidentou no GP da Austrália). Um pouco de dor no joelho, mas não era grande coisa, então fui liberado e tudo estava bem. Na segunda-feira, eu tive um pouco de dor no geral, nada muito sério. Então eu voei, cheguei à Espanha e a dor era um pouco maior, por isso fizemos exames adequados e eu tinha um pequeno pneumotórax no pulmão”, disse.

Alonso esperava participar neste fim de semana do GP do Bahrein, mas o risco da lesão se agravar em caso de novo acidente e até mesmo afetar o funcionamento dos seus pulmões levaram os médicos da FIA a impedirem a sua participação na prova no circuito de Sakhir.

Alonso voltará a ser avaliado pelos médicos da FIA antes do início das atividades de pista da prova seguinte, o GP da China, marcado para 17 de abril. E o espanhol admitiu nesta quinta-feira que poderá ficar de fora de mais uma corrida da Fórmula 1 por causa do seu processo de recuperação.


IMAGEM_NOTICIA_5 (2)

A Mercedes começou mais uma temporada da Fórmula 1 na frente. Na noite desta quinta-feira (manhã de sexta-feira local), o tricampeão Lewis Hamilton liderou o primeiro treino livre do ano, em preparação para o GP da Austrália, em Melbourne. Logo atrás do piloto inglês vieram os carros da surpreendente Red Bull, com o russo Daniil Kvyat e o local Daniel Ricciardo, em terceiro. Os brasileiros Felipe Massa e Felipe Nasr registraram o 12º e 13º tempo, respectivamente.

A primeira sessão oficial da temporada 2016 da F1 foi marcada pelo tempo instável. Chuva e vento atrapalharam o rendimento dos novos carros. A maior parte dos pilotos demorou para ir para a pista. A Ferrari, por exemplo, foi contida. O alemão Sebastian Vettel, sensação dos testes coletivos da pré-temporada, nem marcou tempo.

Com a pista seca ainda, Hamilton registrou o melhor tempo desta sessão de abertura do GP australiano: 1min29s725. Kvyat anotou 1min30s146, seguido do companheiro Ricciardo, com 1min30s875. O rendimento surpreendeu porque a Red Bull esteve longe de impressionar nas duas baterias de testes em Barcelona.


IMAGEM_NOTICIA_5

O finlandês Valtteri Bottas superou o tricampeão Lewis Hamilton nesta quarta-feira (2), em Barcelona, e colocou a Williams no topo dos testes coletivos pela primeira vez nesta pré-temporada da Fórmula 1. O dinamarquês Kevin Magnussen, da Renault, o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, e o inglês Jenson Button, da McLaren, fecharam o Top 5 deste segundo dia da segunda e última bateria de testes antes do início do campeonato.

Bottas anotou o tempo de 1min23s261 no período da tarde. O piloto da Mercedes foi o mais veloz pela manhã, com 1min23s622. Os dois pilotos, contudo, usaram pneus diferentes em suas voltas mais rápidas. Bottas contava com os supermacios, geralmente mais velozes que os macios utilizados pelo rival inglês.

Maior destaque dos testes realizados até agora, a Mercedes deu sequência nesta quarta a sua busca por uma grande quilometragem. Hamilton e o alemão Nico Rosberg, que testou à tarde, completaram juntos 164 voltas. Deixaram para trás, assim, a Williams, com os 108 giros de Bottas. A Mercedes só foi superada em quilometragem pela Toro Rosso do espanhol Carlos Sainz Jr, responsável por atingir 166 voltas.