Lucas Ribeiro teve uma a ascensão meteórica no Vitória. De desconhecido de parte da torcida, mas destaque do time Sub-23, o zagueiro, à época com 20 anos, virou titular do profissional em poucos meses, em 2018.

A oportunidade, dada pelo então técnico Paulo César Carpegiani, foi bem aproveitada pelo garoto do Candeal, em Salvador. O defensor se tornou titular absoluto, chegou à Seleção Brasileira Sub-20 e foi vendido, no início de 2019, ao Hoffenheim, da Alemanha.

Nesta quarta-feira (8), o jogador concedeu entrevista ao repórter Anderson Matos e comentou o início no futebol. “No começo eu treinava no Candeal, onde moro, e no Cefab, na escolinha do professor Paulinho. Era difícil, pois eu era pequeno, meu pai não tinha confiança de me deixar sair só, pegar ônibus só. Professor Paulinho ligava para ele e pedia que deixasse eu ir. Teve um dia que teve um amistoso contra o Vitória. O pessoal do Vitória gostou de mim e mandou me apresentar segunda-feira. Fiquei um tempo em observação na base e fui aprovado. Com 16 ou 17 anos eu assinei meu primeiro contrato profissional”.

Já sobre o acerto com o Hoffenheim-ALE e o início na Alemanha, o defensor admitiu surpresa e dificuldades na adaptação, mas se disse feliz e otimista. “Quando fiquei sabendo que ia para o Hoffenheim, eu estava na Seleção, no Chile, no Sul-Americano. Meus empresários já estavam conversando com o pessoal da Alemanha. Chegando da Seleção, passei três dias em casa e já tive que ir para a Alemanha. Quando cheguei foi muito difícil. Não sabia falar a língua, clima muito frio, alimentação diferente, fuso horário, futebol mais dinâmico. Mas, graças a Deus estou me adaptando bem e as coisas estão dando certo. Estou muito feliz, vivendo outra cultura. Muito feliz por essa oportunidade em minha vida”.


Osmar Loss, ex-técnico do Vitória, voltou ao Corinthians para coordenar as categorias de base do clube e trabalhar em conjunto com Tiago Nunes. Aliás, o desejo do técnico da equipe principal em reestruturar o Sub-23 fez com que a direção do clube aumentasse a participação de Loss no departamento, como o próprio não esconde em suas entrevistas

Em função do isolamento social, em virtude da pandemia do coranavírus e também da necessidade das férias antecipadas, acabaram atrasando um pouco o início do trabalho, na prática. O plano, entretanto, já está definido. Osmar Loss, já definiu que o time Sub-23 vai passar por uma série de alterações.

A redução do grupo deve abranger, aos poucos, todas as categorias de base do clube. No caso específico da equipe que antecede o profissional, a necessidade se dá pelo tipo de treinamento específico que será introduzido a partir de quando as atividades forem reiniciadas no clube.


Causadora de muitas polêmicas na história do futebol, a mão na bola é uma dor de cabeça para os árbitros em muitas ocasiões. Na última terça-feira (7), houve mudanças nas regras do futebol para a próxima temporada e a mão na bola sofreu uma alteração importante. Começando a valer em junho deste ano – assim como todas as novas regras – o toque no começo do braço não será mais considerado falta: “Com a finalidade de determinar com clareza a infração de mão, se estabelece o limite do braço no ponto inferior da axila”, diz um trecho do comunicado da International Board (IFAB).

Outra mudança que também tem a ver com a mão, foi o toque involuntário da bola no braço dos atacantes. Até o momento, qualquer toque é infração, mas a partir de junho, o lance só será invalidado se a continuação da jogada resultar em gol, ou “lance claro e manifesto de gol” a favor do infrator.

A regra do goleiro se adiantar nas penalidades máximas também foi alterada. O árbitro só terá que voltar a cobrança de pênalti, se o arqueiro se adiantar, caso ele defenda a bola. Se a bola pegar no travessão ou for pra fora, a cobrança não será repetida.

Outra alteração foi em relação aos cartões amarelos, que não contarão mais em caso de disputa direta de pênaltis. Caso um jogador seja advertido durante os 90 minutos, e na disputa de pênaltis leve mais um cartão amarelo, o árbitro terá que colocar na súmula dois cartões amarelos e não expulsão.


O Flamengo se prepara para retornar dia 21. Os jogadores seguem em férias coletiva desde o dia 1 de abril, conforme acordo entre os clubes da Série A. O clube se antecipou e tem trabalhado com a possibilidade do reinício das atividades na data programada inicialmente.

Segundo o presidente Rodolfo Landim, os médicos do Flamengo vêm fazendo um intercâmbio com colegas europeus. O grupo analisa diferentes protocolos para serem seguidos pelos atletas, tanto no período de quarentena quanto na pré-temporada que virá em seguida.

O planejamento rubro-negro prevê 15 dias de treinos antes da equipe voltar aos gramados.

Landim e outros presidentes de clubes participaram nesta quarta-feira de uma videoconferência com o presidente da CBF, Rogério Caboclo.


Morreu nesta quarta-feira, Donato Sabia, 56 anos, duas vezes finalista olímpico na prova dos 800 metros. Segundo o Comitê Olímpico Italiano (CONI) Donato esteve internado na unidade de terapia intensiva no hospital San Carlo, em Potenza, na região italiana do sul de Basilicata.

Campeão europeu indoor em 1984, Sabia terminou em quinto na final dos 800 metros em Los Angeles no mesmo ano, prova vencida pelo brasileiro Joaquim Cruz, e foi sétimo em Seul, quatro anos depois.

“É uma tragédia dentro de uma tragédia”, disse Alfio Giomi, presidente da FIDAL, em um comunicado. “Donato era uma pessoa que você não poderia não amar.”

Segundo o CONI, Sabia é o primeiro finalista olímpico no mundo vítima do coronavírus.


Chelsea e Barcelona já estão em negociações abertas para a transação de Philippe Coutinho e um possível retorno ao futebol inglês. Embora as primeiras conversas sejam sobre um empréstimo para a próxima temporada, não há certezas sobre o que poderia suceder após junho de 2021. Os culés estão firmes em colocar uma cláusula de compra obrigatória, segundo o “Sport”.

Os agentes do brasileiro, com fortes laços na Inglaterra, procuram um clube no país desde o último verão europeu, mas na ausência de interessados, o meio-campista teve que ser emprestado ao Bayern de Munique, onde teve uma passagem irregular e os bávaros não irão contar com o camisa 10. Assim, representantes se apressaram para encontrar um novo futuro que agradasse o atleta.

O time de Frank Lampard está pensando em como realizar a operação, pois gostariam de ver o rendimento do brasileiro no clube para depois tomar uma decisão definitiva sobre seu futuro. Nesta temporada, os ingleses já teriam que arcar com 30 milhões de euros (R$ 170 milhões) e Coutinho seria um dos jogadores mais bem pagos do elenco


 

Desde a paralisação dos campeonatos por causa da pandemia do coronavírus, jogadores de futebol buscam maneiras de se entreter na quarentena. Uma das distrações mais comuns vista nos últimos dias foi a participação em desafios nas redes sociais, como vídeos de embaixadinhas com rolos de papel higiênico e fotos de lances marcantes em campo.

O avanço da Covid-19 no Brasil, porém, mobilizou mais de cem jogadores ao apoio de uma causa solidária em forma de desafio: a missão é doar uma camisa de jogo autografada a um site que fará venda online. Todo o dinheiro arrecadado, tirando custos de envio, será revertido ao Instituto da Criança — este, por sua vez, fará a compra de respiradores, luvas e máscaras para ajudar equipes médicas no combate à doença.

Mais de cem jogadores já participaram, inclusive nomes como Daniel Alves (São Paulo), Dudu (Palmeiras), Everton (Grêmio), Rodrigo Caio (Flamengo), Gabriel Jesus (Manchester City) e o goleiro Alisson (Liverpool), além de ex-jogadores como Denílson, Kaká e Marcos e influenciadores como Fred e Raquel Freestyle. Por isso, muitos fãs de futebol já foram impactados pela campanha na internet. O que poucos sabem é que ela começou de forma tímida com o zagueiro Danny Morais, do Santa Cruz.

Danny Morais fez contato com o relações públicas Guilherme Alf, que conhecia de outras ações no Sul: “Desde a minha ligação foi uma semana até o lançamento do projeto.” A dupla mobilizou empresários, assessores de imprensa e rede de contatos no futebol para chegar aos jogadores e ex-jogadores, que doaram suas camisas para a campanha.

Há itens à venda de R$ 800 até R$ 10 mil. Isso além de um setor para doações livres, de outros valores, sem recompensa. Os principais rostos da campanha são Denílson, comentarista da Band, e o goleiro Alisson. Não à toa, donos das camisas mais caras da plataforma, da seleção brasileira e do Liverpool. Alisson, aliás, é embaixador da Organização Mundial da Saúde (OMS), e Denílson promete engajar personalidades da música e de outros segmentos no desafio.