A equipe de Gandu entrou em campo na tarde  deste domingo (13) disposto a apagar os resultados negativos na competição. Para conseguir tal intento fez algumas alterações  no grupo de jogadores, e para início de conversa, trouxe Everton, um excelente goleiro com passagens em equipes profissionais do futebol baiano.

O time de Samuel e Jairzinho abriu o placar com um belo gol de Júnior, conclusão de uma qualificada trama ofensiva. Alegria que durou pouco,  sofreu o empate e a virada ainda  no primeiro tempo.

O time da  Bairro da Bolívia ainda fez mais um gol no segundo tempo e poderia  ter feito muito mais. O técnico Zé Carijé mostrou que conhece do riscado e tem jogadores com inteligência tática. Fez mudanças de postura dos seus comandados no segundo ato e  conseguiu equilibrar os três setores de sua equipe e passou a ter o controle da partida. Daí para frente, a equipe de Gandu ficou sem solução para superar a eficiente marcação do Bolívia e por pouco não sofreu uma  goleada.

Além de neutralizar as ações ofensivas do seu oponente, criou várias situações de gol que no final saiu muito barato para equipe ganduense. 3 a 1 foi o resultado final, muito pouco pelo que foi produzido, principalmente no segundo tempo da partida.  A diferença entre os  dois times nesta peleja é que o Bolívia soube  o que fazer com a bola em seus pés.

Por estas e por outras razões, o time do bairro mais populoso de Valença garantiu sua vaga na semifinal e terá como adversário o Ipiranga. Para muitos será uma final antecipada. Esta é minha opinião, segue o jogo meu Caro Leitor…


Gandu e Bolívia duelam neste domingo(13), no Estádio Antônio Sereia em jogo válido pela segunda fase do campeonato valenciano. Uma partida decisiva. Não decide título, mas decide vaga para a segunda semifinal.

As duas equipes tem trajetórias bem diferentes. O Bolívia começou a competição com status de candidatíssima ao título.  Entra em campo traumatizada com a derrota para o Ipiranga. Mesmo classificada, os dirigentes saíram chateados com o rendimento da equipe. Uma demonstração clara, que haverá mudanças para o confronto de amanhã. Agora é a “vera”! Um erro poderá ser fatal. Pode significar a eliminação do campeonato prematuramente. Algo que não passa pelas cabeças nem de jogadores e muito menos dos dirigentes. Pois, trata-se da equipe como o melhor elenco e maior volume de investimento.

Já a equipe ganduense, por mais incrível que possa parecer, não venceu nenhuma partida com a bola rolando. Foi premiada com três pontos por conta do abandono do Flamengo.

Na estreia da competição foi derrotada pelo Bahia por 2 a 0. Samuel o seu treinador saiu de campo atirando para todos os lados  e naquela oportunidade prometeu mudanças radicais. E cumpriu a palavra. Na segunda partida contra o Skiva, mais uma derrota, desta vez por um placar mais elástico. Sofreu uma goleada por 4 a 1. Mesmo com a derrota apresentou sinais de evolução. O resultado do jogo não correspondeu a história dos noventa minutos.

Amanhã,  tem o seu adversário mais difícil até agora, pelo menos em tese. Por isto, por estas e por outras razões precisará de  mais algumas mudanças. Porque no jogo passado melhorou no quesito condicionamento físico, porém tecnicamente, precisa de mais ajustes se quiser complicar a vida do seu adversário.

Esta é a minha opinião , segue o jogo…Caro leitor.


REINALDO VARJÃO

No futebol é assim, um dia você é gênio no outro pode ser um idiota. Tudo pode acontecer. A alegria contagiante dos torcedores e diretores do Bolívia bastou apenas os primeiros 22 minutos do primeiro tempo para Rogério em uma cabeçada certeira para mudar a história. Do céu ao inferno. O Ipiranga foi cirúrgico, sem apresentar um bom futebol tecnicamente, sobrou vontade. Jogou com espírito de campeão. Encurtou o espaço do seu adversário e no contragolpe tentava ampliar o placar.

Ambas as equipes se apresentaram com desfalques. A equipe do Bairro da Bolívia sentiu mais as ausências. Buscava incessantemente o gol do adversário, porém esbarrava nas dificuldades encontradas no último terço do campo. Pithaco, mais uma vez não fez uma boa apresentação, sumido do jogo principalmente no segundo tempo, deu pouca contribuição aos atacantes bolivianos. Kaká e Veverson tentaram , mas foram barrados no baile pelo forte sistema defensivo ipiranguense.

Por estas e por outras razões, o Ipiranga conseguiu um triunfo magro pelo placar mínimo, o suficiente para colocá-lo na ponta da tabela no grupo A. De camarote vai aguardar o vencedor do confronto entre Bolívia e Gandu que se enfrentam no próximo dia 13 de maio. Agora um pitaco: torcedor ipiranguense coloque as barbas de molho, porque pelo andar da carruagem a revanche pode acontecer em tempo breve. Será que permanecerá no Céu ou visitará o inferno? Confesso que não sei, em futebol tudo é possível.  Esta é a minha opinião, segue o jogo…


 Briga de gente grande!

Ter um time eficaz que consiga os resultados positivos e cumpra suas metas é mais do que ter um grupo de jogadores.

A equipe por possuir atletas com habilidades e experiências diferentes, pode responder e vencer diversos desafios; Ou seja, tomar as decisões corretas para resolver os problemas que surgem em uma partida.

Um bom time ganha um jogo. Um bom elenco ganha um campeonato.

Hoje às 16h00min,Ipiranga e Bolívia entram em campo para definir posições no grupo  A da tabela do campeonato valenciano.

Duas equipes candidatas ao título de campeã. Bons elencos. Características diferentes. O Time da Vila Operária possui jogadores experientes, rodados como se diz no futebolês. Tem como proposta de jogo transições rápidas, ou seja, se reorganiza de maneira aligeirada para atacar e defender.   Não brinca em serviço.

No outro lado, também muita experiência e qualidade individual e coletiva. Transições mais lentas, entretanto um contra ataque veloz. Jogadores com boa capacidade de definição.

O confronto que decidiu o Campeonato em 2016 voltará a acontecer na tarde deste domingo, novamente no Estádio Antônio Sereia. Embora este confronto ocorra apenas dois anos depois da conquista do Ipiranga, traz à tona mudanças profundas nos dois elencos.

O Amarelo e Preto da Vila garimpou grande parte do elenco que deu o título ao Bahia da Baixa Alegre em 2017, além de contratar o técnico campeão, o ainda infante Paulinho.

O Bolívia após a perda do título naquele ano de 2016 promoveu mudanças  no elenco, inclusive o treinador é também um iniciante, Dílson Bracinho,  necessário ressaltar que se trata de um ex-atleta de alto nível e agora quer provar sua competência ao lado das quatro linhas.

Ambas as equipes apostam em medalhões que disputam o intermunicipal. Em campo muitos campeões. Enquanto o Time da Vila Operária quer voltar a ser um conquistador de títulos, o Bolívia deseja provar ao seu torcedor que um título em sua galeria é muito pouco para as grandezas da sua torcida e seu elenco.

Por estas e por outras razões, creio que é salutar assistir mais um clássico do futebol valenciano. Esta é a minha opinião, segue o jogo…


 

Tudo como antes no “Quartel de Abrantes”. Esta máxima, em alguns momentos, consegue explicar alguns resultados no futebol.  Futebol não tem lógica, alguns dizem. Outros afirmam que às vezes futebol tem lógica. Ontem (22) no estádio Antônio Sereia, aqui em Valença, deu a lógica no confronto entre o Skiva e Gandu. 4 a 1 foi o placar da partida. Em partida válida pela décima rodada do campeonato valenciano.

O futebol é uma atividade esportiva de muitas facetas. Por conta disto, não se pode explicar uma derrota ou vitória por apenas um fator. Vários aspectos estão presentes em uma partida de futebol. Aspectos técnicos, físicos, táticos e emocionais. Tudo isto misturado.

O rubro-negro da Vila Operária venceu a partida por tudo o que fez no primeiro tempo. Diante de um adversário que iniciou a peleja dando sinais que resistiria. Apenas um lampejo, e foi totalmente envolvido pelo conjunto da obra do time de Fernando Bagdá. A equipe ganduense se apresentou bem melhor do que na partida de estreia, quando foi derrotada pelo Bahia, entretanto, faltou-lhe muito para brecar o seu oponente. Sofreu três gols no primeiro tempo e se mostrou com muitas dificuldades em seus sistemas defensivo e ofensivo.

No vestiário e nas mudanças realizadas pelo treinador Samuel o caldo engrossou para o Time da Moda, que com uma bola mais rápida criou várias oportunidades para diminuir o placar. Entretanto, em mais uma trapalhada defensiva sofreu o quarto gol de um adversário que já lhe faltava condições físicas. Conseguiu  diminuir o marcador em bela cobrança de falta do avante Júnior. Poderia ter conseguido muito mais, se não fosse a falta de competência dos seus atacantes para empurrar a última bola para o fundo da rede do goleiro Rose.

Por estas e outras razões, deu a lógica no resultado da partida. Venceu a equipe que soube jogar futebol sobre um adversário que correu muito, mas fez pouco para reverter a situação. Correr é apenas um suporte para resolver os problemas que surgem em uma partida de futebol. Esta é a minha opinião, segue o jogo…


 

Existe uma equipe que merece o nosso respeito. Esta equipe é batizada como Sociedade  Esportiva Skiva. Rebatizada, carinhosamente pelos seus torcedores como o Time da Moda.

É oportuno e necessário reconhecer como altamente positiva a trajetória da equipe do Skiva. Fernando Bagdá que assume uma postura de diretor e dono – mesmo não sendo- tem sido muito benéfico para o Time do Bairro da Vila Operária. Presença constante em todos os campeonatos e sempre mostrando sua força dentro de campo.

Assim como ocorre com o Palmeiras, onde a família Assis não arreda o pé, a família Bagdá nunca deixou a peteca cair, ou melhor, a bola, sempre esteve presente nas competições. Fato que não acontece com várias equipes: Valença, Bolívia, União, Fluminense, Flamengo e  Madureira apenas para exemplificar.

Bagdá sempre soube driblar as dificuldades.  Conta há muito tempo com um aliado forte, o ex-jogador do Rubro Negro da Vila Operária e agora treinador, Guto.

Neste domingo (22), mais um desafio para a turma de Bagdá pelo campeonato valenciano-2018. O adversário será a seleção de Gandu que vem de uma derrota para o Bahia por 2 a 0. Duas equipes em busca da primeira posição na tabela. A situação do rubro-negro é mais confortável, tem 06 pontos e um saldo de dois gols. A equipe ganduense tem 03 pontos e um saldo negativo de 01 gol.

Por estas e por outras razões, o histórico da primeira fase do campeonato nos diz que  o Skiva é franco favorito  antes  de a bola rolar. Para tornar o favoritismo para o seu lado o time de Gandu precisa trocar muitas peças e jogar muito para superar o rubro negro da Vila Operária.  Esta é a minha opinião, segue o jogo.


…Titulo de um sucesso nacional em outras épocas. Serve para ilustrar a situação de Valença Futebol Clube e Palmeiras Futebol Clube. Confronto deste domingo (15), às 16h00min no Estádio Antônio Sereia, o Sereião.

Há uma luz no túnel dos desesperados. Há um cais no porto para quem precisa chegar. O  campeonato não tem sido moleza para o Tricolor da Matriz e Verdão do Tento.  Recuperando o cantor Herbert Viana, nem tudo está perdido.

Situação bem parecida entre as duas equipes, Ambas ainda não pontuaram. Sofreram muitos gols. Há duas partidas sem vencer. Aliás, o jejum do Valença é muito mais, três competições que não sente o sabor de um triunfo. Nesta competição apenas o saldo de gols as separam. O Valença tem – 4 gols e o Palmeiras -5gols.

Por estas e por outras razões, um empate garante a classificação do Tricolor e ao Verdão só uma vitória o coloca na próxima fase.  Trata-se de um clássico valenciano que sempre foi muito disputado e não será diferente desta vez. O Time de Marquinhos Capitão tem muito no que melhorar em todos os setores. Já o Verdão do Tento demostrou evolução na derrota para o Bolívia, mas é muito pouco para quem deseja chegar ao final da competição. Fechando a conta, as duas equipes necessitam de  muito mais se quiserem continuar frequentando o Sereião até a partida final do campeonato 2018. Esta é a minha opinião, segue o jogo…